Uma variedade comercial inédita, com resistência a nematoide de galha e tolerância a um largo espectro de tipos de ramulária, é a grande novidade da Cooperativa Mista de Desenvolvimento do Agronegócio (Comdeagro) para o 12º Congresso Brasileiro do Algodão (12º CBA), que será realizado entre os dias 27 e 29 de agosto, no Centro de Convenções de Goiânia (GO). A IMA 5801B2RF lidera um portfólio de lançamentos, que traz ainda outras tecnologias voltadas para qualidade e rendimento de pluma desenvolvidas pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e estará à disposição do cotonicultor já na safra 2019/2020. O 12º CBA é promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), a cada dois anos. Nesta edição, o tema do evento será A cotonicultura como vitrine para a agricultura do amanhã.

A Comdeagro é o braço comercial do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Ampa). Ele foi criado para prover o acesso do produtor não apenas aos produtos desenvolvidos pelo instituto e parceiros, como também a máquinas, através da importação de países como a China, com preços competitivos. As duas entidades, que atuam juntas no dia a dia, também estarão no mesmo espaço no evento. O IMAmt dará destaque para as publicações cientificas e artigos gerados por seu quadro de cientistas. Os pesquisadores estarão no local, tirando dúvidas, participando dos workshops e falando sobre o trabalho de controle do bicudo, manejo de nematoides e prospecção de microoganimos para uso agrícola. Na ocasião também será apresentada a Plataforma Bicudo, que pesquisa variedade resistente ao inseto.

De acordo com o diretor executivo da Comdeagro, Alvaro Salles, a decisão de lançar a IMA 5801B2RF no congresso é estratégica, já que no evento os cotonicultores começam a tomar decisões para a safra seguinte. “No CBA, o produtor terá uma equipe de técnicos para tirar dúvidas, workshops e palestras que dão um panorama do que já existe à disposição do produtor e do que está em desenvolvimento”, explica. A IMA 5801B2RF é resultado de dez anos de pesquisa e desenvolvimento, e, até o momento,

representou investimento da ordem de R$5 milhões, com recursos dos produtores, através do Fundo de Apoio à Cultura do Algodão (Facual), Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e Fethab Rural.

Menos aplicações

De acordo com Salles, a ramulária é a doença que mais demanda fungicidas na cultura do algodoeiro. A nova variedade pode ajudar a reduzir de 70% a 80% do número de aplicações por safra para a mancha de ramulária e em mais de 80% no caso de aplicações com nematicidas. “Sem essa variedade, no Mato Grosso, fazem-se até mais de seis aplicações para a ramulária, por safra, em algumas regiões. Este lançamento pode representar economia de R$200 a R$400 por hectare, no bolso do produtor”, comemora o diretor executivo.

A ramulária interfere na qualidade do algodão e na produtividade da lavoura, porque faz com que as folhas da planta caiam precocemente, atrapalhando a formação da pluma. Quando associada a nematoides, os efeitos são devastadores. “Se não forem bem manejados, podem representar perdas de mais de 50%”, alerta. Alvaro Salles enfatiza que o público do 12º Congresso Brasileiro do Algodão também vai conhecer as novidades já acessíveis ao cotonicultor em bionseticidas e biofungicidas.

O presidente da Abrapa e do 12º CBA, Milton Garbugio, destaca o papel da Comdeagro na moderna cotonicultura brasileira. “O Congresso Brasileiro do Algodão é o grande momento de difusão de tecnologia do setor, e a Comdeagro não tem como estar de fora, sendo o portal de acesso do produtor aos materiais produzidos pelo IMAmt. Embora esteja situado no Mato Grosso, o trabalho desenvolvido pelo instituto e disponibilizado pela Comdeagro é de grande valia para o produtor brasileiro”, conclui.

Imprensa Abrapa e 12ºCBA

Catarina Guedes – Assessora de Imprensa