André Peralta
André Peralta
Tópico 1

Currículo

Engenheiro Agrônomo graduado pela Universidade Federal de Viçosa-MG, em 1990. Mestre em Defesa Sanitária Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa-MG, em 2013. Experiência Profissional: No Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento: Auditor Fiscal Federal Agropecuário do MAPA, tendo ingressado em julho de 2004 por meio de concurso público. Atual Coordenador-Geral de Agrotóxicos e Afins, do Departamento de Sanidade Vegetal. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Servidor da Divisão de Quarentena Vegetal (de janeiro de 2019 a janeiro de 2022): Exerce as atividades de Análise de Risco de Pragas na importação de produtos vegetais, análise de requisitos fitossanitários estabelecidos por países terceiros para o Brasil e elaboração de relatórios de produção visando à abertura de mercados externos. Diretor do Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas (de janeiro 2016 a janeiro 2019): O Departamento era responsável pelo registro e fiscalização da produção de agrotóxicos, de fertilizantes, corretivos de solo e inoculantes, pelo registro e proteção de cultivares vegetais e pela fiscalização da produção de sementes e mudas (incluindo cultivares OGM). Em 2019 o Departamento fundiu-se com o Departamento de Sanidade Vegetal. Coordenador de Sementes e Mudas (de maio de 2012 a dezembro de 2015): A coordenação é a Autoridade Nacional Designada junto à OECD para a certificação de sementes para o comércio internacional. Responsável pela inscrição de cultivares no Registro Nacional de Cultivares e pela fiscalização da produção de sementes e de mudas (incluindo cultivares OGM). Servidor da Divisão de Análise de Risco de Pragas (de agosto de 2010 a maio de 2012). Diretor do Departamento de Sanidade Vegetal (fevereiro de 2010/agosto de 2010): O Departamento é a Organização Nacional de Proteção Fitossanitária do Brasil, tratando de temas como: vigilância, prevenção e controle de pragas, quarentena vegetal, análise de risco de pragas, certificação fitossanitária. Chefe da Divisão de Prevenção e Controle de Pragas (de março de 2008 a fevereiro de 2010): Divisão responsável pelos programas de educação fitossanitária, vigilância fitossanitária, controle de pragas presentes e erradicação de focos de pragas recentemente introduzidas no País. Chefe do Serviço de Campanhas e Programas Fitossanitários (de outubro de 2006 a março de 2008): Serviço que contempla os programas de vigilância e controle de pragas presentes, sendo os principais: vigilância de Phakopsora pachyrhizi na soja e de Puccninia kuehnii em cana-de-açúcar, supressão e manutenção de áreas livres de Anthonomus grandis, vigilância e manutenção de áreas livres de Mycosphaerella fijiensis, vigilância e supressão de Bactrocera carambolae, erradicação de Cydia pomonella, de Xanthomonas citri subsp. Citri e de Dactylopius opuntiae, manutenção de áreas de baixa prevalência de moscas-das-frutas, vigilância e controle de Xanthomonas campestris pv. viticola, de Aleurocanthus woglumi, de Sirex noctilio e de Ralstonia solanacearum raça2. Chefe do Serviço de Educação Fitossanitária (de fevereiro de 2005 a outubro de 2006). Outras atribuições no Ministério da Agricultura: Representante da América Latina no Comitê de Normas da Convenção Internacional para a Proteção dos Vegetais, da FAO - de maio de 2019 aos dias atuais - O Comitê de Normas é um órgão subsidiário da FAO para a elaboração de normas internacionais sobre medidas fitossanitárias a serem aplicadas no trânsito internacional de vegetais. Representante do Brasil no Grupo de Trabalho para Assuntos da Comissão de Medidas Fitossanitárias junto ao Comitê de Sanidade Vegetal do Cone Sul - de janeiro de 2019 aos dias atuais - O Grupo de Trabalho debate regionalmente temas trazidos para a Comissão de Medidas Fitossanitárias (órgão diretivo da Convenção Internacional para a Proteção dos Vegetais) e subsidia os diretores das organizações nacionais de proteção fitossanitária nas tomadas de decisões durante as plenárias da Comissão. Representante do Brasil no Comitê de Sementes da OCDE (OECD Seed Schemes) – de 2012 a 2016. O Comitê discute as regras internacionais para a certificação de sementes, visando ao trânsito internacional; Representante do Brasil na Comissão de Sementes do SGT-8 Mercosul, de 2012 a 2016. A Comissão discute regionalmente (nível Mercosul) as normas sobre certificação de sementes e mudas; Membro da Comissão Técnica Nacional de Sementes Florestais, de novembro de 2012 a janeiro de 2016; Membro da Comissão Técnica Nacional de Batata-semente, de janeiro de 2014 a janeiro de 2019; Coordenador do Programa Nacional de Erradicação da Cydia pomonella, de julho de 2004 a agosto de 2010; Coordenador do Programa Nacional de Controle da Cochonilha-do-carmim, de 2008 a 2010; Coordenador do Programa Nacional de Vigilância da Ferrugem da Soja, de 2004 a 2010; Coordenador do Programa Nacional de Controle do Bicudo do Algodoeiro, de 2004 a 2010; Representante do Brasil na Comissão de Quarentena Vegetal do SGT-8 Mercosul em 2010; Representante do Brasil na Comissão de Sanidade Vegetal do SGT-8 Mercosul em 2010; Representante do Brasil no Grupo Ad Hoc Bicudo do Algodoeiro, da Comissão de Sanidade Vegetal do SGT-8 Mercosul, em 2004.

Palestras

QUAL O FUTURO DA PRODUÇÃO ON FARM DE MICRORGANISMOS, NO BRASIL?
Sala 4
18 de agosto de 2022, 14:30
X