Congresso reunirá produtores e lideranças para discutir desafios e perspectivas do algodão brasileiro no cenário mundialCongresso reunirá produtores e lideranças para discutir desafios e perspectivas do algodão brasileiro no cenário mundial

header_blog_destaque

A plenária se inicia às 10h e traz entre os palestrantes os presidentes da Abrapa, Júlio Cézar Busato, da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), Miguel Faus, e da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Pimentel. Eles abordarão os desafios e as perspectivas do algodão brasileiro e a evolução do setor nas últimas duas décadas.

Com tecnologia e responsabilidade socioambiental, o Brasil produz algodão em grande escala, com atributos que tornam o País um grande competidor no mercado internacional. “Continuamos a consolidar a pluma brasileira nos principais mercados consumidores por meio de um produto de qualidade, com nível de competitividade elevado, regularidade no fornecimento e preço favorável”, destaca Faus, ao acrescentar que o 13º Congresso Brasileiro do Algodão, promovido pela Abrapa, representa uma oportunidade tanto para os cotonicultores, quanto aos diversos participantes do nosso mercado, se atualizarem e debaterem sobre os principais avanços, tecnologias e desafios que envolvem o nosso setor.

Para o presidente da Abit, o evento é um momento importante de discussão de temas relacionados não apenas à cotonicultura, mas que envolvem a rede de produção brasileira de têxteis e confeccionados. “O Brasil é um país que conseguiu preservar uma cadeia produtiva integrada, desde a matéria-prima, até o produto final. E o algodão é, sem dúvida nenhuma, a principal matéria-prima transformada em território nacional pela indústria brasileira”, observa. Os três dias de encontro serão uma oportunidade para aprofundar conhecimentos e caminhos para que cada vez mais a fibra seja transformada dentro do País. O debate do painel será mediado pelo engenheiro agrônomo, professor e sócio-fundador da Markestrat Group, Marcos Fava.

O algodão brasileiro e o mercado mundial

Essa mesma temática sobre o algodão brasileiro será abordada pelo pesquisador e professor sênior de agronegócio global do Insper, Marcos Jank, na segunda plenária do dia 16, entre 11h45 e 12h45, mas com enfoque no mercado mundial. Jank trabalhou na Ásia entre 2015 e 2019, onde representou associações de exportadores agroindustriais (ABPA, Abiec e Única) e apoiou a expansão da BRF no continente. Anteriormente, presidiu a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) e o Instituto de Estudos do Comércio e das Negociações Internacionais (ICONE), um dos principais think-tanks de análise do comércio exterior do agro brasileiro. O professor Jank também apoiou a instalação do escritório da Abrapa em Singapura, onde viveu.

Desafios e perspectivas econômicas

O algodão é um produto de extrema importância socioeconômica para o Brasil. Além de ser a maior fonte de fibras naturais, garante ao País lugar privilegiado no cenário internacional, como um dos quatro maiores produtores mundiais, ao lado de Índia, China e Estados Unidos, respectivamente. Contudo, os desafios e as perspectivas econômicas nesse novo cenário mundial impactado pela guerra e aumento no preço de insumo podem afetar a rota de crescimento do setor. Para analisar e debater sobre o tema, o CBA traz para palestrar no evento Zeina Latif, Maílson da Nóbrega e Sérgio Vale. Eles serão os destaques na plenária 3, do dia 17. A moderação do painel caberá ao jornalista Willian Waack.

ESG – Ambiental, Social e Governança

A questão ambiental também estará presente nas discussões do CBA e um dos assuntos mais falados pelo mercado é a sigla em inglês ESG, para Ambiental, Social e Governança. Existem empresas que já se consolidam como referência em ESG, no entanto, há outras que o próprio negócio dificulta a percepção de boas práticas ambientais. É fato que todos estão preocupados em seguir normas que levem a uma gestão mais responsável do ponto de vista social, ambiental e de governança. E o ESG é uma temática bastante ampla e que precisa ser entendida na ótica de como e o quê as companhias estão fazendo para direcionar essa agenda. Para falar sobre o tema, o CBA convidou Marcella Ungaretti, sócia e analista de Research ESG da XP, e Ricardo Voltolini, jornalista com MBA pela FIA e diretor-presidente da consultoria Ideia Sustentável: Estratégia e Inteligência em Sustentabilidade. Eles participarão da plenária 4, do dia 17. Para Marcella, o interesse cada vez maior pela temática ESG tem rapidamente transformado a indústria de investimentos ao redor do mundo e isso é um bom indício do que está por vir no Brasil. “Embora ainda estejamos no início dessa jornada no país, a pandemia do coronavírus agiu como um catalisador, sendo possível analisar uma série de razões estruturais pelas quais a participação dos investimentos ESG continuará ganhando força no país. As empresas que não se adaptarem a este novo cenário ficarão para trás.” Do ponto de vista corporativoi, não há dúvidas de que ainda há muito a ser feito, ressalta, para que os resultados de longo prazo em termos de sustentabilidade sejam alcançados. “Contudo, do lado positivo, vemos que o foco crescente nas questões ambientais, sociais e de governança pelos investidores, bem como pela sociedade em geral, já tem surtido efeitos no comportamento das companhias, sejam porque elas estão de fato alinhadas com os princípios ESG ou simplesmente por reconhecerem que para atrair capital esse é um fator cada vez mais imprescindível”.

Disrupção e inovação

Head de Inovação da StartSe, uma das maiores escola de negócios do Brasil e presente com escritórios nos polos tecnológicos do mundo, como Israel, Vale do Silício e China, Cristiano Kruel, marcará presença no CBA, na plenária do dia 18, entre 9h e 10h30, para falar sobre o que mais o seduz: a gestão disruptiva. O foco será nos desafios e perspectivas da disrupção e inovação e o que isso impacta nos negócios do dia a dia do Agro. Um assunto que está cada vez mais presente nas conversas sobre o ecossistema do setor: disrupção é aquilo que acelera a obsolescência e inovação o que se torna um imperativo nos negócios, todos os negócios. Segundo Kruel, a intenção é entender como aumentar a habilidade de perceber, decodificar e se antecipar aos riscos e benefícios das mudanças.

Universo metaverso, desafios e perspectivas

O que é o Metaverso e como ele pode promover modelos de negócios disruptivos e altamente competitivos e inovadores. Renan Hannouche e Dante Freitas estarão no CBA, dia 18, para falar sobre essa questão que deve ser a próxima fronteira da internet. Responsável por potencializar diversos e diferentes serviços em todas as áreas e promover modelos de negócios disruptivos e inovadores, o Metaverso é a terminologia utilizada para indicar um tipo de mundo virtual que tenta replicar a realidade através de dispositivos digitais. “O Metaverso é o suprassumo da experiência digital, passando de uma prática 2D(tela), para a espacial, onde você consegue e passa a ter muito mais experiências multissensoriais”, explica Renan. Para Dante, a chegada do Metaverso é uma oportunidade que permitirá aos humanos não apenas manifestar a arte, qualquer que seja, mas de tudo aquilo que se constrói no mundo físico. “É mais um palco de oportunidade e de como nós, humanos, vamos nos apropriar e alavancar com ajuda e apoio da tecnologia envolvida.” A exposição deles ocorre entre 11h45 e 13h, na plenária seis, a última do evento.

Toda a programação de palestras, salas temáticas e workshops do 13º CBA está disponível na aba programação deste site.

Deixe um comentário

X